15 de fevereiro de 2017

O GRÃO DE MOSTARDA


            Jesus Cristo, ao proclamar o seu Evangelho para anunciar, implantar, desenvolver e concretizar o Reino de Deus na humanidade, usou de muitas parábolas tiradas da natureza, de forma que o povo pudesse compreender as verdades e as realidades sobrenaturais que Ele anunciava. Certa vez, para fazer compreender como o Reino de Deus se inicia, cresce, se torna forte e grande, e expande sua presença, Jesus propôs-lhes esta parábola: “O Reino dos céus é comparado a um grão de mostarda que um homem toma e semeia em seu campo. É esta a menor de todas as sementes, mas quando cresce, torna-se um arbusto maior que todas as hortaliças, de sorte que os pássaros vêm aninhar-se em seus ramos. (Mt 13,31- 32)
            O Reino de Deus, o Reino dos céus está no coração daquele que acolhe Jesus e o seu Evangelho, e vive sua vida pessoal, matrimonial, familiar, profissional e social, conforme os ensinamentos de Jesus. Nesse coração Deus reina, ali está o Reino dos Céus.
            Como o grãozinho de mostarda lançado na terra fértil, que desabrocha, cresce se se torna um belo arbusto, assim, o Reino de Deus, ou seja, a fé no Deus uno e trino e o amor de Deus são infundidos no coração humano pelo Espírito Santo no dia do santo Batismo. O gérmen de toda a futura vida cristã é infundo no coração do batizando. Com o passar do tempo, esse gérmen lançado no coração da criança vai se desenvolvendo. Pela vivência cristã e exemplo dos pais, pela vida cristã na família, a semente do Reino começa a desabrochar e crescer. Depois, pelas catequeses de primeira eucaristia e de crisma, o Reino de Deus vai se tornando firme e desenvolvido. Com a participação na vida da comunidade católica, nas missas dominicais, nas celebrações da comunidade, por meio de encontros de jovens, de cursos de teologia, de diversos tipos de encontros para adultos e casais, o Reino de Deus, a fé no Deus verdadeiro, o encontro pessoal com Jesus vivo, a vida cristã pessoal, matrimonial, familiar e profissional se torna adulta, consciente, exemplar. Então, como na parábola, esta pessoa se torna apta a ensinar e testemunhar a sua fé e a sua vida cristã para a conversão, a vida cristã de muitos outros. Eis o que Jesus quis nos fazer compreender com a parábola do grão de mostarda.



10 de fevereiro de 2017

O TRIGO E O JOIO


O TRIGO E O JOIO
            Jesus Cristo veio ao nosso planeta para realizar a salvação da humanidade, a quel estava totalmente perdida em todo tipo de desordens, maldades, perversidades e pecados. A vontade de Deus era a redenção, a salvação e a santificação do ser humano. Para isto, em Jesus, Deus veio ao encontro da humanidade. Jesus veio anunciar, implantar, e fazer o Reino Deus acontecer no coração humano. Era preciso que o ser humano abrisse o seu coração para que Deus pudesse reinar. Para explicar a realidade da presença do Reino na humanidade, de sua aceitação ou rejeição, Jesus contou a parábola do “Trigo e do Joio”: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro. (Mt 13,24-30)

            Na humanidade que vive hoje, o trigo representa todos os seres humanos do bem, de todos os povos, raças, línguas, nações, religiões do bem, que pensam sempre o bem, que desejam sempre e a todos o bem, que falam sempre o bem, e que vivem intensamente o bem. Foi Deus quem semeou na humanidade a todos esses seres do bem. Já o joio, que é uma espécie de falso trigo e se mistura, mas nada produz, representa os seres humanos do mal, de todas as formas de mal, desde as maldades pessoais, familiares, sociais, nacionais e mundiais. Estes seres humanos fazedores do mal estão misturados com os bons. Deus não os arranca e faz morrer quando iniciam a serem maus, conforme queriam os lavradores da parábola. Deus, na sua bondade e misericórdia os deixa viver com o desejo de que se convertam e se salvem, para que no fim, na hora da morte, não sejam arrancados e jogados no fogo do inferno. 

5 de fevereiro de 2017

O SEMEADOR


O  SEMEADOR
            Jesus veio ao nosso planeta para anunciar, instalar e tornar realidade vivida no coração da humanidade e de cada pessoa o Reino de Deus. O Reino de Deus está onde  o Deus vivo, uno e trino, reina, dirige e orienta a vida das Pessoas. O ser humano do reino de Deus é aquele que aceita Jesus Cristo como Deus, Salvador e Senhor, e vive sua vida pessoal, matrimonial, familiar, profissional e social conforme o Evangelho de Jesus. Aceitar Jesus e o Evangelho é aceitar o Reino e viver no Reino dos Céus.
            Para explicar essa aceitação do Reino de Deus por parte do coração humano, Jesus anunciou a “Parábola do Semeador”. “Um semeador saiu a semear. E, semeando, parte da semente caiu ao longo do caminho; os pássaros vieram e a comeram. Outra parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e nasceu logo, porque a terra era pouco profunda. Logo, porém, que o sol nasceu, queimou-se, por falta de raízes. Outras sementes caíram entre os espinhos: os espinhos cresceram e as sufocaram. Outras, enfim, caíram em terra boa: deram frutos, cem por um, sessenta por um, trinta por um. (Mt 13,5-8)
            A parábola nos diz que diante da aceitação de Jesus e do seu Evangelho existem quatro tipos de pessoas ou de corações. Corações estéreis como um duro caminho. Jesus e o seu Evangelho lhes são anunciados. Eles rejeitam completamente. Outros são corações como terreno pedregoso. Jesus e o Evangelho lhes são anunciados. Eles parecem por um momento aceitar, mas diante das dificuldades de viver o Evangelho, desistem. Preferem viver uma vida fácil, sem Jesus e os seus ensinamentos. Outros corações são como um terreno cheio de capoeira. Jesus e o Evangelho são anunciados, por um momento parecem aderir, mas as muitas preocupações mundanas e interesses materiais sufocam completamente a fé em Jesus e no seu Evangelho. E os outros corações são acolhedores e abertos como um terreno fértil, adubado e regado. Estes acolhem Jesus e o Evangelho, vivem uma vida cristã exemplar, buscam e conseguem a santidade. O segredo de receber, acolher e viver o Reino de Deus está em ter um coração aberto e acolhedor. Onde está o Reino de Deus, ou seja, onde Jesus e o seu Evangelho são aceitos e vividos, alí há vida cristã em abundância, há santidade, há felicidade pessoal, matrimonial, familiar e social.

27 de janeiro de 2017

AS PARÁBOLAS


 AS PARÁBOLAS DO REINO DE DEUS
           A humanidade toda estava envolvida nas imensas trevas de toda espécie de males e de pecados pessoais, familiares, sociais, nacionais e mundiais. Foi por causa disto que Jesus Cristo, o Filho do Pai eterno, veio como Salvador para libertar, salvar, perdoar e curar todos os seres humanos de todos os seus males e pecados. Jesus veio para transformar as imensas trevas do mundo dos homens em luz da vida do Reino de Deus.
         Jesus veio como Salvador do ser humano, anunciando, explicando, instaurando e concretizando a realidade do Reino de Deus. Era preciso que o amor misericordioso, libertador, transformador e salvador de Deus Pai, Filho e Espírito Santo penetrasse no coração humano para iluminá-lo, convertê-lo, transformá-lo e salvá-lo. Era preciso levar de volta o ser humano para a realidade do amor de Deus, a fim de que Este reinasse na vida daquele. Era necessário implantar o Reino de Deus no coração da humanidade.
           O Reino de Deus está onde o Deus Trindade reina. Reinar significa reger, dar a direção correta, dirigir, orientar todas as coisas segundo as instruções divinas para que o ser humano reencontre o seu destino eterno, sua liberdade verdadeira, sua salvação de todos os males e a felicidade tão sonhada por todo coração. Deus reina naquele coração, naquele matrimônio, naquela família, escola, loja, escritório ou qualquer lugar quando ali se respeita, se age e se vive conforme os valores divinos ensinados por Jesus.
           Jesus veio ao planeta terra para anunciar e implantar esse Reino de Deus nos corações. Todas as suas pregações e ações, sua vida, morte e ressurreição, tudo estava em função de infundir o reinado de Deus no coração do ser humano. Para fazer compreender a realidade do Reino de Deus, do Reino dos Céus, Jesus usou de muitas parábolas, ou seja, de muitas comparações tiradas da natureza, as quais eram bem conhecidas pelo povo simples que acorria para ouvir Jesus e ser curado por Ele. O Semeador. O Trigo e o Joio. O Tesouro escondido. A Pérola Preciosa. A Moeda Perdida. O Fermento. E tantas outras.

                                                                                            

17 de janeiro de 2017

O SOCORRO VEM DE DEUS






O socorro vem de Deu


Quando vos invoco, respondei-me,
ó Deus de minha justiça, 
vós que na hora da angústia me reconfortastes. 
Tende piedade de mim e ouvi minha oração. (...) 
O Senhor escolheu como eleito uma pessoa admirável, 
O Senhor me ouviu quando o invoquei. 
Tremei, mas sem pecar; refleti em vossos corações, 
quando estiverdes em vossos leitos, e calai. 
Oferecei vossos sacrifícios com sinceridade e esperai no Senhor. 
Dizem muitos: Quem nos fará ver a felicidade? 
Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz de vossa face. 
Pusestes em meu coração mais alegria 
do que quando abundam o trigo e o vinho. 
Apenas me deito, logo adormeço em paz, 
porque a segurança de meu repouso 
vem de vós só, Senhor.(Sl 4,1-9)

Prece:

            Amém, Senhor Deus excelso e três vezes santo! Vós sempre respondeis quando clamamos por Vós. Se às vezes não me atendeis é porque aquilo que Vos peço não seria bom para mim. E então me dais outra coisa muito melhor. E quando demorais para me atender, é porque estais me educando para receber a bênção no tempo devido. Mas Vós, Deus clemente e cheio de bondade, sempre estais voltado para nós e nos amais, como um Pai e como uma mãe que muito amam os seus filhos. Amém, Senhor.