13 de julho de 2009

O AMOR DO PAI ME ENVOLVE



Deus Pai é meu pai. Não apenas porque me criou. Fosse só por isso já seria uma bênção extraordinária, pois extraordinário é o dom de minha vida. Sem o dom da vida, eu nada poderia ser, nem obter, nem experimentar, nem receber. Sem o dom da vida eu simplesmente “não” seria. Criando-me, Deus Pai tornou-se meu criador.
Muito mais do que me criar por amor, Deus Pai, por outro ato de amor, tornou-se meu pai, adotando-me como filho. Ele não queria apenas uma criatura humana a mais, queria um filho: eu. Ele não queria ser apenas meu criador, mas sim, meu pai.
Pelo santo batismo, o Pai adotou-me oficialmente, publicamente, como seu filho. Não fui eu que quis ser adotado. A iniciativa foi dEle. Por amor para comigo. Ele me quis como seu filho, para me amar como um Deus sabe amar. Para me amar como sou. Incondicionalmente. gratuitamente.
Que maravilha ser adotado, como filho, por Deus... Ser adotado por um rei, por um governador, por um presidente de nação, poderia parecer um grande privilégio. Mas eu fui adotado por um Deus, por Deus Pai celeste. Como filho adotado, participo da partilha de toda sua herança. O que é do Pai é também meu. Pois sou filho dEle.
Como é grande esse mistério... Mas é grande também a responsabilidade de viver de forma tal que minha vida honre o coração do Pai, o glorifique, lhE dê alegrias.
“Pai meu, que estais no céu, e me olhais com amor de Pai, iluminai meu coração a fim de que reconheça a grandeza de vosso amor que me adotou, e para que eu viva de forma coerente com minha dignidade de ser Vosso filho. Amém”

2 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Padre Alírio, que o amor de Deus intensifique sua dedicação em evangelizar!

27 de julho de 2009 08:42  
Anonymous Anônimo disse...

Padre Alírio espero que tenha recebido a minha mensagem. Ir.Mercia

3 de agosto de 2009 18:17  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial