5 de maio de 2010

EUCARISTIA - JESUS CONOSCO



Jesus decidiu-se ficar conosco na Eucaristia.
Estava nos planos salvíficos de Jesus permanecer conosco, até o fim dos tempos, presente num sinal visível, sensível, palpável, como convém a nós, seres humanos. Um ano antes de Jesus instituir a Eucaristia, já a havia anunciado com toda clareza, a muitos discípulos e aos doze Apóstolos reunidos em Cafarnaum. Ele disse: “Eu sou o Pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste Pão viverá eternamente. E o Pão que eu hei de dar é minha Carne para a salvação do mundo”. Disse ainda: “Se não comerdes a Carne do Filho do homem, e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”( Jo 6, 51-58).
Na quinta feira santa, após ter realizado a “última ceia judaica”, Jesus põe fim aos sacrifícios e rituais do Antigo Testamento, e entra no Novo Testamento, instituindo a “Santa Ceia Cristã”, a Eucaristia, “Sacrifício” da nova e eterna aliança, assinada com seu sangue, e “Comunhão” com Ele próprio, presente nas espécies sacramentais, e por meio dEle, comunhão com Deus e com os irmãos. Assim escreve o evangelista Mateus: “Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu a seus discípulos dizendo: “Tomai todos e comei, isto é o meu corpo que será entregue por vós”. Tomou, depois, o cálice, deu graças e o deu aos discípulos, dizendo, “Tomai todos e bebei: este é o cálice do meu sangue, sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para a remissão dos pecados. Todas as vezes que fizerdes isto, fazei-o em memória de mim!” (Cf. Mt 26,26-29)
Mistério de Fé
A presença real de Jesus Cristo vivo, ressuscitado, glorioso, sob as espécies de pão e de vinho, bem como suas declarações incríveis feitas quando anunciou que “Ele é o Pão vivo”... “que sua carne e seu sangue são comida e bebida”... “que quem não come sua carne não tem vida em si”... “e quem a come tem a vida eterna e a ressurreição”, são um tremendo desafio à nossa fé. Sem o “dom da fé”, isso é inacreditável! É uma loucura!...
Aliás, quando Jesus anunciou essa realidade, muitos discípulos não conseguiram acreditar. Disseram: “Isto é demais!... Quem pode admitir coisa semelhante”? Ao perceber que murmuravam, Jesus perguntou: “Isto vos escandaliza?”... “Desde então, muitos dos seus discípulos se retiraram e já não andavam com Ele”. No entanto, Jesus havia falado a plena verdade. Ele iria “ser o Pão vivo”, sim!... Iria “dar a sua carne e o seu sangue como comida e bebida, sim!:... A decisão estava tomada!... E Jesus sabia que a Eucaristia seria o maior dom à sua Igreja! Sabia o bem que faria à Igreja toda, de todos os tempos, por sua presença na Eucaristia. Por isto desafiou os doze, dizendo: “Quereis vós também retirar-vos”? Respondeu-lhe Simão Pedro: “Senhor, a quem iremos nós? Tu tens as palavras de vida eterna! E nós cremos e sabemos que tu és o Santo de Deus (Cf. Jo 6, 60-69).
Jesus “exigiu” dos Apóstolos que “acreditassem na sua palavra”, que “aderissem com a fé” à sua proposta de ser “o Pão vivo”. Jesus estava até preparado para ser abandonado também pelos doze, para ficar sozinho e começar tudo de novo. Mas jamais abriria mão da instituição da Eucaristia! Jamais abandonaria sua decisão de ficar para sempre na sua Igreja, por meio do sinal do Pão consagrado!
Que é crer?
O que é, de fato, crer na Eucaristia? O que é ter fé na presença real de Jesus? Crer, ter fé, é ter absoluta certeza que Jesus falou a verdade, não mentiu, não nos enganou, não brincou conosco e com a humanidade, quando disse: “Eu sou o Pão vivo... Minha carne e meu sangue são comida e bebida”. Crer é olhar com os olhos do coração para Jesus, e sabendo que Ele sempre falou a verdade, acreditar que Ele disse toda a verdade, que Ele não trapaceou, não nos enganou, ao instituir a Eucaristia.
O grande teólogo Santo Tomás de Aquino escreveu: “A presença do verdadeiro Corpo de Cristo e do verdadeiro Sangue de Cristo, neste Sacramento, “não se pode descobrir só pelos sentidos, mas sim pela fé, baseada na autoridade de Deus”. A fé deve fundamentar-se na “autoridade” daquele que fala: Jesus, que é Deus!...Seguindo esse raciocínio, afirmamos que “cremos”, que “temos fé” na presença real de Jesus vivo na Eucaristia, não porque podemos provar em laboratório, ou porque podemos constatar com nossos olhos ou tocar com nossos dedos. Mas cremos, depositamos nossa fé, porque foi Ele, Jesus, quem o afirmou! Nós poderíamos nos enganar em nossas conclusões. Mas Jesus não pode nos enganar! Ele é Deus! Um Deus não pode ser falso e enganar os que nele crêem. Por isso São Cirilo acrescenta: “Não ponhas em dúvida se é ou não é verdade! Aceita com fé as palavras do Senhor, porque Ele, que é a verdade, não mente”! Eis a verdadeira fé: pôr nossa certeza e segurança sobre o peito e no coração de Jesus ressuscitado! Ele falou?... Está falado!
A teologia da presença real de Jesus
Foi no Concílio Ecumênico de Trento que a verdade sobre a “presença real” de Jesus na Eucaristia foi definida. Diz esse Concílio: “No Santíssimo Sacramento da Eucaristia estão contidos verdadeiramente, realmente e substancialmente o Corpo e o Sangue, juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo todo”. Esta presença se chama “real”, porque é substancial, e porque por ela, Jesus Cristo, Deus e homem, se torna presente completo (Mist. Fidei-39).
Diz o Vaticano II: “A Eucaristia é fonte e ápice da vida cristã”... Pois a Santíssima Eucaristia contém todo o bem espiritual da Igreja, a saber, o próprio Cristo, nossa Páscoa(LG-11 e PO-5). Cristo Jesus, aquele que morreu, ou melhor, que ressuscitou, aquele que está à direita do Pai e intercede por nós, está presente de múltiplas maneiras na sua Igreja. Mas sobretudo está presente sob as espécies eucarísticas (SC-7).
Um bispo, teólogo de renome, disse: “Um dia, o Filho de Deus veio a nós ‘disfarçado numa criança’. Quem olhasse para ela com olhos humanos, via simplesmente uma criança igual a todas as demais. Mas oculto, disfarçado sob as aparências da criança, estava o Filho de Deus, o Salvador da humanidade. Em outra oportunidade, o mesmo Filho de Deus que se havia disfarçado numa criança, ‘disfarçou-se num pedaço de Pão’. Aparentemente, parece ser um pedaço de pão comum. Mas ali está realmente presente Jesus ressuscitado”. Basta ir além das aparências com os olhos da fé e encontramos Jesus vivo, ressuscitado, nosso Salvador. O Deus que soube “disfarçar-se numa criança” também “pode disfarçar-se num pedaço de pão”.
A Eucaristia é uma Pessoa
Crer é ter absoluta certeza que a Eucaristia não é uma coisa!... É uma pessoa: a Pessoa de Jesus Cristo vivo, oculto, “disfarçado” num pedaço de pão. Crer é ter absoluta certeza que a Hóstia consagrada não é uma coisa!... Mas sim, a Pessoa de Jesus ressuscitado, “disfarçado” daquela forma. Crer é ter absoluta certeza que no sacrário não temos guardada uma coisa preciosa, mas que ali está realmente presente Jesus ressuscitado, nosso salvador e mestre.
Crer é ter absoluta certeza que quando dizemos: Eucaristia, Santíssimo Sacramento, Sacramento do Amor, Sacramento do altar, Ceia do Senhor, Pão dos Anjos, Pão dos céus, Santos mistérios, estamos entendo que se trata da: “presença real de Jesus ressuscitado, glorioso, sob as aparências do pão e do vinho consagrados. Crer é ter absoluta certeza que na Hóstia consagrada está Jesus vivo inteiro: corpo, sangue, alma, divindade e humanidade.
Crer na presença real de Jesus na Hóstia consagrada é uma graça maravilhosa! Crer, ter fé, eis o segredo de encontrar o tesouro divino da Eucaristia. Crer, ter fé, eis o segredo maravilhoso de poder encontrar-se pessoalmente com Jesus ressuscitado, presente no Pão consagrado. Crer é ter os olhos do coração abertos para ver Jesus ressuscitado, glorioso, amante e amável, além das aparências do pão consagrado.

Marcadores:

2 Comentários:

Anonymous marcelo pereira disse...

Durante a Eucaristia, não deveria ser servido o Vinho consagrado, Sangue da Nova e Eterna Aliança que foi deramado por todos nós para a remissãdos pecados? Nosso Senhor Jesus não disse TOMAI TODOS E BEBEI? Então por que não se serve um golinho a cada pessoa? Ou pelo menos não se molha o pão no vinho? Mas só o padre e algumas poucas pessoas bebem. Um gole de vinho não é caro. Ainda mais um vinho de valor espiritual eterno e inestimável...

21 de julho de 2012 11:25  
Anonymous Anônimo disse...

Se Jesus está vivo naquele pedaço de pão ouseja Ele é a propria Eucaristia
e está vivo naquela forma;se está vivo existe sangue naquele corpo,naquela particula de pão existe sangue ou não estaria vivo !

18 de abril de 2013 13:59  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial