10 de agosto de 2013

AS BEM-AVENTURANÇAS

 Bem-aventurados
 os que têm fome e sede de justiça,
 porque  serão saciados (v. 6).
A justiça deve ser compreendida em duas direções. 1ª Como sinônimo de “santidade”. 2º Como justiça nas relações humanas.
1º Todo santo é um justo, e todo justo diante de Deus é santo. Todos fomos criados por Deus à sua imagem e semelhança, para sermos um pouco como Ele é: santo. Mas Ele nos criou, e pelo santo Batismo nos adotou  para sermos santos diante de seus olhos.  Diz-nos São Paulo: Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo, e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos. (Ef 1, 3-4)
Todo aquele que tem essa fome e sede de santidade será saciado, porque o Espírito Santo, que é o santificador, vai matar a sua fome e saciar a sua sede de santidade, mediante sua ação por meio dos Dons Infusos, dos Frutos de santidade e dos Carismas. Aquele que tem fome e sede procura resolver o seu problema. A resposta vem do próprio Deus.
Diz o salmista:  “Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo: quando verei a face de Deus?” (Sl 42,2-4); “Ó Deus, tu és o meu Deus, por ti madrugo. Minha alma tem sede de Ti, minha carne Te deseja com ardor” (Sl 63, 2).
Quem tem fome e sede de santidade é socorrido por Deus.  Jesus disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem acredita em mim nunca mais terá sede” (Jo 6,35).  A experiência de Deus e a amizade com Ele cultivada por uma vida de oração e sacramental sacia o coração humano dessa fome e sede de santidade. Saciada, a alma se sente feliz e bem-aventurada.
2º Fome e sede de justiça humana. A justiça consiste em “dar a cada um aquilo que lhe pertence, aquilo que lhe é devido. Tanto a respeito de Deus (dar a Deus aquilo que Lhe é devido) como a respeito da pessoa humana, quanto à sua dignidade, seus direitos e seus deveres.

Num mundo cheio de graves e enormes injustiças sociais que geram pobreza, miséria humana, fome, doenças graves e disseminadas, sempre há aqueles que, animados por um espírito bom lutam para que se façam leis justas e que facilitem a justiça. Tantos outros que trabalham concretamente junto a povos miseráveis a fim de educá-los na busca de seus direitos, e procuram criar organizações e ações concretas em favor desse empobrecidos e injustiçados.
Essa fome e sede de implantar a justiça, de praticar a justiça, de que se faça justiça, terá o seu saciamento, porque Deus é justo e sempre faz justiça. Esses todos que tem fome e sede de implantar a justiça vivem em paz de espírito, mesmo quando angustiados diante das enormes injustiças que ocorrem, e são felizes e bem-aventurados porque são saciados por Deus.

Os homens acreditam que Deus fará justiça aos que são oprimidos pela injustiça. A situação de “fome e sede de justiça” clamam para que cesse a injustiça atual. A justiça corresponde ao Reinado de Deus sobre tudo e sobre todos. A esperança de justiça se cumpre em Jesus Messias e Salvador, na cruz. De fato “Javé é nossa justiça” (Jr 23,6).

1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Excelente

11 de agosto de 2013 22:04  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial