9 de setembro de 2013

VIRTUDE DA GENEROSIDADE

A generosidade é a virtude do dom, ou seja, do dar, do doar gratuitamente a alguém, aquilo que lhe falta e lhe seja necessário.  É o gesto de lhe oferecer o que não é dele, mas que passa a ser dele, quando foi feita a doação.
Todos temos algo para dar. Pode ser dinheiro ou bens materiais. Esta é, aliás, a  associação mais comum que fazemos quando pensamos em generosidade. Mas esse objeto da doação também pode ser um conhecimento, coisas que nós sabemos e que podemos partilhar para ajudar os outros. Essa doação pode ser um abraço, uma palavra de conforto, um carinho. Afinal, a generosidade é, antes de mais nada, uma inclinação do espírito para fazer o bem, por amor gratuito.
Generosidade é a virtude que a pessoa tem, quando acrescenta algo ao próximo. Generosidade se aplica também quando a pessoa que dá algo a alguém tem o suficiente para dividir ou não. Não se limita apenas em bens materiais. Generosos são tanto as pessoas que se sentem bem em dividir um tesouro com mais pessoas porque isso lhes fará bem, quanto aquelas que dividem um tempo agradável para outros, sem a necessidade de receber algo em troca.
A generosidade é um vocábulo que vem do latim generósitas, que significa bondade, boa qualidade. A generosidade é uma virtude que diz respeito à posse de bens e, sobretudo, no dar parte deles a quem precisa e na quantidade apropriada, tendo em conta a propriedade da pessoa que dá, e as necessidades de quem recebe.
A generosidade é uma virtude da dádiva. Distingue-se da justiça pelo fato de não se limitar a dar ao outro aquilo que é dele ou lhe pertence, mas sim aquilo que, sendo nosso, faz falta ao outro. A generosidade depende mais do coração e do temperamento.
É bom fazer uma distinção entre altruísmo e generosidade. Segundo o filósofo e educador Mario Sergio Cortella, as duas virtudes são boas, mas diferentes. Agir esperando alguma espécie de retribuição seria altruísmo, representado no lema "faça aos outros o que queres que façam contigo". A generosidade seria a prática da doação desinteressada, feita mesmo quando se sabe que não haverá recompensa, cujo mote é "faça o bem porque é bom fazer". Na prática, a pessoa generosa não fica se gabando porque doou dinheiro para uma entidade beneficente. Mas não é pecado se sentir bem depois de uma boa ação.
Se a generosidade se tornou artigo raro, um pouco da culpa é da sociedade atual, calcada em valores como o egoísmo e o individualismo. "Pensamos muito em nosso próprio umbigo e pouco no dos outros", diz Mario Sergio Cortella. Para ele, isso é ainda mais forte nas classes mais altas. "Na favela, se desaba um barraco, a vizinha acolhe os filhos da que perdeu a casa, dizendo 'onde comem dez comem 15'. Na classe média, às vezes, as pessoas nem sabem o que fazer com os pais idosos". Isso acontece porque, nas favelas, ainda impera o espírito de cooperação que guiou nossos antepassados na época das cavernas. Nas favelas, sem a ajuda do vizinho, não se sobrevive.      Um dos mecanismos que a sociedade sempre teve para educar para a generosidade foram as religiões. Como sempre foram preocupadas com a moral, as crenças em um poder superior costumam estimular as virtudes como a generosidade, a solidariedade, a compaixão. "Ninguém nasce generoso". "É preciso aprender". No cristianismo, por exemplo, costumam-se contar as histórias de Cristo como inspiração para os fiéis. Uma das mais conhecidas é a do milagre da multiplicação de pães e peixes. "O que Cristo fez foi juntar o pouquinho que cada um tinha, e realizar o milagre de repartir entre todos". Exercitar todos os dias as virtudes como a generosidade é uma forma de combater os vícios, como o egoísmo.
Em uma sociedade que pede apenas que você receba, nunca doe, a generosidade é um treino. O primeiro passo para a generosidade é saber se somos individualmente capazes de oferecer. O desafio é estar atento às necessidades da vida em comum, não só às nossas. Para poder ajudar o outro, o primeiro passo é enxergá-lo, ouvi-lo, perceber suas necessidades. Uma vez que percebemos a necessidade do outro, é hora de partir para a ação. Porque ser generoso é, antes de tudo, uma escolha.
            Há uma distinção a ser feita entre a generosidade e a justiça: "É certo que a justiça e a generosidade têm ambas a ver com as nossas relações com os outros, mas a generosidade é mais subjetiva, mais singular, mais afetiva, mais espontânea, ao passo que a justiça, mesmo aplicada, conserva algo de objetivo, de mais universal, de mais intelectual ou mais refletido".
A generosidade é uma virtude porque procura finalidades retas, isto é, dar às pessoas certas, nas quantidades adequadas, no momento certo e da forma correta.
Há algumas condições inerentes aos ato generoso. Não depende da quantidade que se dá, mas das possibilidades do doador. O que se dá tem de provir de fontes corretas. Dá-se apenas porque se gosta de dar, sem quaisquer outras finalidades ou razões. O generoso é o que dá de acordo com as suas posses e em função de finalidades retas. O generoso é mais pronto a dar benefícios do que a receber.
 A maneira pessoal de viver a Generosidade
1. Me esforço por reconhecer as necessidades reais dos demais.
2. Reconheço meus próprios talentos (capacidades, qualidades, conhecimentos) e os  coloco a serviço dos demais.
3. Reconheço o que valem minhas próprias posses, meu tempo, meu esforço, etc.
4. Realizo ações buscando o autêntico bem dos demais com bastante freqüência.
5. Realizo as seguintes ações com bastante freqüência: emprestar coisas próprias, dar algo meu, estar disponível, escutar aos demais, exigir dos demais razoavelmente.
6. Permito aos demais realizar ações em meu favor.
7. Perdôo.
8.Faço esforços para superar o cansaço, a doença, a preguiça como fim de atender aos demais
9. Atuo a favor dos demais buscando seu bem mais que a própria satisfação e sem pensar no que posso pedir em troca.
10. Esforço-me em atender às pessoas que mais necessitam de minha atenção.
11. Ajudo aos meninos/meninas a concretizar suas preocupações para ajudar aos demais.
12. Busco e ofereço oportunidades para que os alunos/filhos possam decidir livremente se estão dispostos a realizar ações em favor dos demais.
13. Ajudo-os a descobrir as necessidades reais dos demais.
14. Ajudo- os a distinguir entre o que são caprichos dos demais e o que são necessidades reais.
15. Ajudo- os a reconhecer o valor de suas próprias posses, de seu tempo etc.
16. Ajudo- os a reconhecer quais são os motivos que realmente têm quando atuam em favor dos demais.
17. Ajudo os jovens não apenas a dar, mas também a receber.
18. Consigo que os jovens realizem ações em favor dos demais por motivos elevados.
19. Busco maneiras de conseguir que os alunos/filhos superem a comodidade, a preguiça e a inércia com o fim de centrar sua atenção nos demais.
20. Falo com os meninos/meninas para que aprendam a relacionar a generosidade com o amor e especialmente com o amor a Deus e com o amor de Deus.



1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Excelente

10 de setembro de 2013 08:10  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial