13 de outubro de 2013

MANSIDÃO
            O fruto da mansidão também é filho do amor-caridade. Porque a pessoa vive a experiência de sentir-se amada por Deus-Trindade e pelos irmãos, e de sentir-se amando-os com alegria e felicidade, naturalmente ela se torna mansa.
            A mansidão do coração faz com que a pessoa não seja agressiva, compulsiva, ofendendo, ferindo, agredindo o próximo, mas também tem a capacidade de não se deixar ferir, ofender com facilidade. Imaginemos uma almofada fofa coberta de veludo. Se lhe dermos um soco, ela não nos machuca e nem se ofende. Ela permanece a mesma, fofinha como antes. Assim é o coração manso: não ofende e nem se deixa ofender com facilidade.
            Pensemos num boi manso... num cavalo manso... num cordeiro manso. Podemos lidar com eles com facilidade e sem medo, pois não tem reações agressivas. Assim é a pessoa mansa.
            Mansidão tem muito a ver com bondade e humildade. Porque o coração é bom, trata as pessoas com mansidão, evitando por todos os meios de ofender, magoar, ferir, fazer sofrer.

            O discípulo de Jesus que é cheio do Espírito abrigará também esse fruto em seu coração. Dois exemplos: Vemos na vida de São Pedro essa diferença. Primeiro, o Pedro impulsivo e até violento antes do Pentecostes, e depois o Pedro amável e submisso quando ficou cheio do Espírito Santo.  Moisés, antes de ter uma experiência íntima com Deus, agia de forma brusca e violenta, chegando a matar um egípcio. Depois que conheceu a Deus tornou-se o homem mais manso de toda a terra (num. 12:3). Pela convivência com Jesus ressuscitado, vamos descobrindo sua mansidão que tanto nos cativa, e depois seguimos o seu pedido: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. 

1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Excelente

15 de outubro de 2013 14:41  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial