8 de novembro de 2013

O  CRISTO
            Em nossa profissão de fé proclamamos que “cremos em Jesus Cristo, único Filho” do Pai eterno. Estamos tão habituados a dizer “Jesus Cristo”, como se fosse o nome completo de Jesus, ou quase como se fosse um nome e sobrenome. Na verdade “Cristo” indica uma outra realidade daquele que se encarnou.
            O nome “Cristo” se traduz por “ungido”, aquele que foi ungido. Outro sinônimo é “Messias” (Meshiah”, que, aliás, também se traduz por “ungido”. Portanto, Cristo, Messias, Ungido, dizem a mesma coisa, dizem a mesma realidade. Dizer Cristo é dizer “O Ungido de Deus”.
            Referindo-se a Jesus de Nazaré, que é o Filho único do Pai eterno, dizer Jesus Cristo é proclamar que Ele foi ungido pelo Pai para exercer a missão salvífica da humanidade.
            Bem no início de sua missão, ao ir à sinagoga de Nazaré num dia de sábado, Jesus levantou-se para ler a Escritura. Tomou o livro do profeta Isaías e leu: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me: para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor. Ele começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu este oráculo que vós acabais de ouvir. (Lc 4, 18-21)
            A unção de Jesus, o Cristo, foi feita pelo dom do Espírito Santo na natureza humana dEle: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu”. De fato, o Espírito Santo do Pai eterno, havia descido pouco antes, em forma de pomba, no dia do Batismo de Jesus no Jordão. Essa unção com o poder do Espírito Santo foi feita para que Jesus pudesse realizar toda sua missão no poder divino do Espírito. Lemos no texto acima: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para... para seis ações poderosas, citadas acima  no texto de Isaías, para cuja realização, Jesus, o ungido”, precisava do poder divino do Espírito Santo que o ungiu.
            Essa unção revelada pelo nome “Cristo”, em sentido mais completo, foi uma unção de Jesus como “sacerdote”, “profeta”, e “rei”, para o serviço pleno de sua missão.
Jesus, o Cristo, o Messias, foi ungido como “sacerdote” para oferecer ao Pai eterno o sacrifício de sua vida na cruz, para a salvação da humanidade, como para oferecer sempre de novo ao Pai em cada Santa Missa celebrada, o mesmo sacrifício da cruz, bem como para oferecer ao Pai, Consigo, a vida, as boas obras, de todos os batizados, os quais formam o seu Corpo Místico.
Jesus, o Cristo, o Messias, foi ungido pelo Espírito como “profeta”, para anunciar a Boa Nova do Reino de Deus a toda a humanidade, em todos os tempos. No texto de Isaías citado acima está escrito: “1º  para anunciar a boa nova aos pobres”.
            Jesus, o Cristo, o Messias, foi ungido pelo Espírito Santo como “rei” para inaugurar e fazer acontecer o Reino de Deus no meio da humanidade, a fim de que todos os relacionamentos humanos e organizações humanas em todos os níveis sejam organizados de acordo com a hierarquia de valores trazida e ensinada por Jesus, o Cristo do Pai, o ungido do Pai.

            Pelo Santo Batismo, todo batizado, por ser “enxertado, implantado” no Corpo Místico do Cristo, é ungido como “sacerdote, profeta e rei”, a fim de oferecer o sacrifício de Jesus e a sua vida em cada Santa Missa, a fim de anunciar pela vida e pelas palavras a Boa Nova da salvação, e a fim de trabalhar para que o reino de Deus aconteça na família, na sociedade, no mundo.

1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Excelente

15 de novembro de 2013 17:22  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial