10 de novembro de 2013

SEU  ÚNICO  FILHO
Em nossa profissão de fé católica declaramos que “cremos em Jesus Cristo, Seu único Filho” (Filho único de Deus Pai).
       Que Jesus, o Cristo, é Filho único nós o sabemos e cremos porque nos foi revelado pelo próprio Pai e confirmado pelo mesmo Jesus, muitas vezes, nos Evangelhos.
   No dia do Batismo, quando Jesus foi ungido “sacerdote, profeta e rei” pela descida do Espírito Santo em forma de pomba, o Pai eterno manifestou-se, declarando: Este é o meu filho muito amado no qual ponho toda a minha complacência(Lc 3,22) E no monte Tabor, novamente o Pai se manifestou com as mesmas palavras: “Este é o meu filho muito amado no qual ponho toda a minha afeição, escutai-o” (Mc 9,2-9)
        Que Jesus é o Filho único do Pai, é uma conclusão da própria revelação da Santíssima Trindade. Deus se revelou Trindade: três Pessoas divinas num Deus único. Se o Pai tivesse gerado outro ou outros filhos, não teríamos a Trindade, mas um Deus em mais de três Pessoas. Jamais foi revelado que haveria mais Filhos do Pai.
     No início do seu Evangelho, São João chama o Filho do Pai eterno de “Verbo” (Palavra). Ele afirma: No princípio era o Verbo, ( o filho) e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio junto de Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito. Nele havia a vida, e a vida era a luz dos homens.  A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. [O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem. Mas a todos aqueles que o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus, E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade. (Jo 1, 1-5.9.12.14)
            Lemos ali que No princípio era o Verbo, ( o Filho) e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus”. O Filho existia no princípio, quando só Deus existia, antes da criação do mundo. E o Verbo-Filho era Deus.
            Esse Verbo-Filho é que deu ao ser humano a possibilidade de se tornar “filho adotivo” de Deus. Lemos: Mas a todos aqueles que O receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus”.
            Esse Verbo-Filho do Pai eterno é que foi enviado para junto de nós como nosso Salvador. Diz João: E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade”.  Eis aqui a declaração explícita de que Jesus, o Verbo, é o Filho único: “a glória que o Filho único recebe do seu Pai”
            Ao falarmos de Filho de Deus, precisamos nos dar conta que existe um único Filho “natural” do Pai eterno, e que há muitos filhos adotados pelo Pai. Em nossa doutrina católica aprendemos e sabemos que, pelo Santo Batismo, o batizando é adotado como filho de Deus Pai. Portanto, o Pai tem um Filho natural e muitos milhões de filhos adotados que se encontram no céu, no purgatório e na terra.
           

            

1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Excelente

15 de novembro de 2013 17:30  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial