5 de fevereiro de 2014

JA PENSOU NISSO ?



Impressiona-me muito uma realidade! Na justiça humana, quando uma pessoa comete um delito, e se comprova deveras que o delito aconteceu, quer mais ou menos grave, ela é julgada e “sempre condenada”, de acordo com a lei, não importando se a pessoa se arrepende ou não. Na justiça divina, ocorre o contrário. Sempre que o pecador reconhece o erro e se arrepende, por mais grave que seja o erro, ele é “sempre perdoado”! Sempre! Todas as vezes! Que maravilha divina! A confissão é sempre a hora do perdão! Jamais da condenação! A sentença é sempre positiva. E sempre a mesma: “Eu te perdôo!... Vai, e não peques mais!... Por que carregar culpas, erros, pecados, que poderiam nos condenar para a vida eterna, se podemos ser perdoados com tanta facilidade, e sempre? Por que não procurar sempre o perdão de Jesus na Confissão?
Já pensou também nisto? - A confissão é
“remédio... e vitamina”. Remédio para curar o pecado, as fraquezas humanas, as tendências viciosas, as conseqüências dos pecados, enfim, os males espirituais, psicológicos e emocionais, ligados aos pecados. Vitamina para fortalecer a graça santificante que puxa, induz para a santidade; para fortificar a vida cristã de cada dia, a pratica das virtudes, a realização das boas obras. Aliás, é por esta segunda razão que muitos Santos do passado e do presente celebravam a confissão toda semana, ou até mais vezes por semana. Ouvi um sacerdote dizer que o Papa se confessa com frequência. Com certeza não é por causa de pecados, mas para buscar graças divinas. Será que muitas forças do Papa não procedem dos encontros que faz com Jesus vivo, na Confissão? Estes Santos são expertos: buscam na confissão as vitaminas, as forças para vencer as dificuldades e para crescer na santidade. São mesmo bem expertos! Deveríamos também nós ficarmos assim expertos!
Já pensou também nisto? – A Confissão não é um momento de
tristeza, de fossa, de depressão, de medo. Ela é um momento de reconciliação, de paz, de alegria, de esperança e de trasbordamento de vida. Por quê? Porque acontece o perdão total, a reconciliação com Deus, consigo e com os irmãos. Porque não somos condenados, mas perdoados. Deveríamos sair da confissão pulando de alegria, sorrindo e cantando, exatamente porque fomos perdoados. Não condenados.
Já pensou em fazer uma maravilhosa confissão que seja um profundo encontro pessoal com Jesus?

1 Comentários:

Anonymous yanese disse...

Senhor eu quero e preciso crescer nesta graça. nem sempre consigo.

6 de fevereiro de 2014 23:10  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial